Microagulhamento

O microagulhamento é um procedimento que consiste em microperfurações da pele com finas agulhas metálicas com objetivo induzir formação de colágeno, neovascularização, produção de fatores de crescimento e aumento da taxa de penetração de ativos específicos na derme. O tratamento estético é minimamente invasivo, porém dependendo da profundidade do agulhamento, é necessário o uso de anestésicos tópicos e maiores cuidados no procedimento e após. 

O uso de microagulhas, também chamado de Indução Percutânea de Colágeno ou Terapia de Indução de Colágeno, é voltado para o tratamento de rugas, linhas de expressão, capilar, cicatrizes, melasma e estrias. No microagulhamento não há retirada da camada superficial da pele, diferentemente do que ocorre com tratamentos com alguns tipos de lasers e peelings químicos, nos quais a camada superficial da pele é totalmente retirada para que haja estímulo do colágeno.

microagulhamento.jpeg

Indicações 

 

As principais indicações do microagulhamento são cicatrizes, especialmente as de acne, estrias, envelhecimento e flacidez, melasma e drugs delivery em geral, principalmente em tratamento de manchas e capilar. Há uma grande variedade de dispositivos cilíndricos mecânicos disponível para o procedimento, o que os diferencia são o comprimento, a quantidade, o diâmetro e o material das agulhas. Eles agem rolando perpendicularmente sobre a superfície da pele.  A técnica consiste na geração de múltiplas micropunturas, que resultam em estímulo inflamatório e produção de colágeno, além da entrega de ativos.

Como funciona
 

As microagulhas atravessam a epiderme, iniciando o processo natural de cicatrização, que causa uma contração da pele antes relaxada, suavizando, deste modo, cicatrizes e rugas. Com isso, aumenta-se a proliferação celular, em especial os fibroblastos, aumentando, então, as proteínas de colágeno e elastina, capazes de restaurar a plenitude do tecido. Outra função da técnica de é potencializar a permeação de princípios ativos cosmetológicos, uma vez que os microcanais facilitam a absorção do ativo, aumentando a penetração de moléculas maiores em até 80%. Sendo assim, é possível afirmar que a ação combinada do migroagulhamento e de ativos cosméticos pode potencializar resultados desejados.

Pós-Procedimento

 

Após a terapia com o Microagulhamento, a pele pode apresentar descamação, crostas superficiais, vermelhidão, ardor e um leve inchaço, além de sensibilidade ao frio, calor e sol. Em alguns casos, é indicado o uso de água termal para acalmar a pele, além de cicatrizantes com antibióticos, prescritos por um médico. Deve-se evitar água quente e manipulação da área tratada nas primeiras 24 horas após o procedimento. Geralmente, oferece resultados após uma sequência de aplicações em intervalos regulares (mensais). A recuperação após procedimento é rápida, porém para não correr risco de manchas (hiperpigmentação) ou cicatrizes, a técnica deve ser aplicada por profissionais especializados.

 

Contraindicações

 

As contraindicações ao Microagulhamento são limitadas e incluem doença de pele em atividade (acne, herpes, psoríase, entre outras)na área a ser tratada, uso de anticoagulantes ou com problemas de coagulação sanguínea, diabetes não controlado, câncer cutâneo, lesão,predisposição à formação de queloides e imunossupressão. Adicionalmente, é preciso ter cuidado na aplicação concomitante de Microagulhamento próximo às áreas de injeção de toxina botulínica para evitar sua difusão indesejada.

Leia Também: Microagulhamento: para rosto, corpo e couro cabeludo

Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)