Peeling Químico

O peeling químico é uma aplicação de soluções na pele para melhorar a textura, removendo camadas exteriores danificadas. Os produtos químicos usados são fenol, ácido tricloroacético, ácidosalfahidróxidos, além de outros. Cada um tem uma finalidade diferente. A fórmula utilizada será ajustada para atender às suas necessidades específicas. Embora peelings químicos sejam utilizados principalmente na face, também podem ser usados para melhorar a pele no pescoço e nas mãos. 

O termo peeling se origina do inglês to peel = descamar, pelar, referindo-se à aplicação de agente químico sobre a pele, que pode provocar a destruição controlada não só de parte ou da totalidade da epiderme, como também de parte da derme, levando à esfoliação com remoção de lesões, seguida pela regeneração de novos tecidos.

peeling_quimico_blog.jpg

O peeling químico não trata rugas profundas; excesso de pele ou flacidez, mas faz uma revitalização da camada superficial da pele e estimula a produção de colágeno. Pode remover pequenos vasos visíveis, alterar o tamanho dos poros e atenuar cicatrizes superficiais.Os critérios avaliados para indicação de cada tipo de peeling compreendem idade, fototipo, área a tratar, grau de fotoenvelhecimento, objetivos a alcançar e habilitação do profissional, além dos fatores inerentes a cada paciente em particular.

 

O tratamento pode ser feito basicamente em três tipos: superficial, médio e profundo, e ainda, combinados.

 

Peelings muito superficiais e superficiais: Como atingem apenas a epiderme, os melhores resultados são obtidos com aplicações seriadas, realizadas em intervalos curtos. A descamação subsequente costuma ser fina e clara, não alterando a rotina diária do paciente. Melhoram a textura da pele, são coadjuvantes no tratamento da acne, clareiam manchas e atenuam rugas finas, além de estimular a renovação do colágeno.

 

Peelings médios: Provocam descamação espessa e escura, demandando de sete a quinze dias para retorno à vida normal. São indicados para ceratoses (lesões pré-cancerosas) e rugas mais pronunciadas.

 

Peelings profundos: São procedimentos mais fortes e agressivos que os demais. Provocam a formação de muitas crostas espessas, e o pós-peeling pode exigir o uso de curativos. A recuperação pode durar até três meses. Apresentam resultados significativos, com renovação importante da pele e diminuição de rugas profundas, como aquelas ao redor da boca e dos olhos.

 

Peelings combinados: usado para obter resultados mais perceptíveis em menor tempo, pode-se utilizar a técnica dos peelings combinados, em que se associam dois tipos de fármacos na mesma sessão. Aproveitam-se os melhores efeitos de cada substância, resultando em ação mais eficiente sem aprofundamento desnecessário. É possível, também, utilizar diferentes tipos e concentrações de ácidos de acordo com as alterações de cada região da face. Pode-se utilizar peelings de média profundidade apenas nos locais em que o fotoenvelhecimento se manifesta mais pronunciadamente, utilizando-se, nas áreas em que o dano for menor, ácidos menos potentes. Dessa forma, os efeitos colaterais mais intensos ficam restritos aos locais em que foram utilizados os ácidos mais potentes, diminuindo o desconforto no período pós-peeling.

 

Quanto mais profundos, mais aparentes serão os resultados, porém aumentarão também os riscos e o desconforto no período após o procedimento. Desta maneira, é muito importante a escolha de um profissional que possua conhecimentos adequados dos diferentes agentes para esfoliações químicas, do processo de regeneração da pele, da técnica, bem como da identificação e tratamento de complicações.

Preparação prévia

O preparo prévio é realizado com substâncias que condicionam a pele. Deve ser iniciado pelo menos duas semanas que antecedem o procedimento, pois reduz o tempo de cicatrização, permite penetração mais uniforme do agente e diminui o risco de hiperpigmentação pós-inflamatória. Para os peelings muito superficiais não há necessidadede preparo, mas os demais necessitam proporcionalmente à profundidade pretendida.

Indicações e Contraindicações

São indicados para atenuação de rugas, manchas e cicatrizes; na diminuição das lesões pré-malignas como as queratosesactínicas e no auxílio do tratamento da acne ou cicatrizes de acne; manchas senis; sardas, pigmentação irregular da pele; pele áspera e descamativa ou danificada pelo sol.
 

Os peelings são contraindicados em casos de gravidez, lactação, lesões herpéticas ativas, infecção bacteriana ou fúngica, dermatite facial, uso de medicamentos fotossensibilizantes, alergias aos componentes do peeling e expectativas irrealistas.

Leia também: Peeling Químico: renovação para a pele

(Fontes: SBCPSBD)